Quatro Indígenas de três estados do Nordeste morreram por Covid-19, em 24h, do dia 13 para o dia 14 de maio. Nossos parentes dos povos Pankará e Fulni-ô, em Pernambuco, um parente do povo Potigua, no Rio Grande do Norte e no estado do Ceará um indígena Tapeba, que era servidor da saúde, são as novas vítimas fatais na região. No total, 12 indígenas de 8 povos morreram pelo novo coronavírus no nordeste.

É com assustadora velocidade que o vírus chega nos territórios indígenas de todo o país. Neste mesmo período, seis parentes do povo guajajara testaram positivo para Covid-19. Cinco indígenas atuam na área da saúde na Terras Indígenas Araribóia e um indígena vive na TI Pindaré, no município maranhense de Bom Jardim.

O Centro-Oeste, que era a única região sem casos confirmados de indígenas contaminados até então, entra no mapa dos territórios atingidos pela doença com parentes testados positivos em Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Uma indígena de 40 anos do povo Xavante foi contaminada, no município de Barra do Garças (MT) e três parentes do povo Guarani da região de Dourados (MS) estão infectados.

Na região Sul, o primeiro caso confirmado no estado de Santa Catarina foi de um ancião do povo Kaingang de 81 anos da aldeia Condá, no município de Chapecó. E no Rio Grande do Sul mais dois indígenas testaram positivo para Covid-19, na TI Nonoai.

Dados do Comitê Nacional pela Vida e Memória Indígena, da APIB, do dia 14 de maio, registram a morte de 92 indígenas e a contaminação de 446 parentes, atingindo diretamente 38 povos.